PL que reduz áreas protegidas na Amazônia pode criar "ilhas de florestas vazias"

14/02/2017

As florestas do sul do Amazonas – região que registrou aumento de desmatamento no último ano – podem ficar fragmentadas e, num caso extremo, vazias de biodiversidade. A avaliação, feita pela ecóloga Nurit Bensusan, especialista em biodiversidade do Instituto Socioambiental (ISA), é que a região pode sofrer a chamada “síndrome da floresta vazia”, como resultado de uma possível fragmentação caso o Congresso aprove um projeto de lei que reduz cinco unidades de conservação na região.

Na semana passada, a bancada de deputados e senadores do Amazonas entregou à Casa Civil um rascunho de um projeto de lei para reduzir áreas protegidas no Amazonas. Segundo reportagem do Estadão, a Casa Civil analisará o texto, que deverá ser enviado ao Congresso como uma proposta do próprio governo. O projeto de lei ainda não começou a tramitar, mas ÉPOCA teve acesso ao texto inicial. Em sete artigos, o projeto reduz as áreas da Reserva Biológica do Manicoré, do Parque Nacional do Acari, da Floresta Nacional do Aripunã e da Floresta Nacional de Urupadi. Além disso, extingue a Área de Proteção Ambiental dos Campos de Manicoré. Na prática, essas mudanças significam redução da proteção de uma área de 9.250 quilômetros quadrados – equivalente a duas vezes a área do Distrito Federal.

Época | BR | Blog do Planeta

Leia a notícia completa aqui.

Veja o clipping completo